Plano em Foco

Ícone

Redes de computadores e Linux, por Gustavo Lopes

Multiplexação Estatística etc

Multiplexação estatística é o modelo predominante de transporte de pacotes na internet. Ele difere da multiplexação por divisão temporal (TDM) e da multiplexação por divisão de frequência (FDM). Também difere radicalmente da comutação por circuitos pura e simples.

Mas não é do aspecto técnico que vou falar agora. É mais de um aspecto ético da multiplexação estatística: porque ela é usada hoje em dia, e como é usada pelas operadoras de telefonia?
Será que é usada porque é melhor tecnicamente do que a TDM? Na TDM, o cliente tinha garantia de que a velocidade contratada seria cumprida, pois cada cliente possuía um slot temporal fixo. Assim, conforme mostra o gráfico abaixo, se a rede do provedor de acesso tinha capacidade para 10Mbps (valor hipotético) e possuía 10 clientes, cada cliente teria, teoricamente, SEMPRE 1Mbps de acesso. Concorda?

TDMTudo muito justo. Entretanto – pensaram os provedores de acesso, e corretamente – nem sempre todos os clientes estariam usando o meio. Isto é, haveria momentos em que poucos clientes estariam usando o meio. Assim, haveria um desperdício, pois os clientes estariam pagando por um serviço que não estariam usando! Pobres clientes.

Na multiplexação estatística esse desperdício não ocorre. Mas isso não significa benefício direto para o cliente, pois os provedores não são sinceros – e nem poderiam ser, pois se os clientes soubessem a verdade, o número de reclamações seria enorme. Enquanto na TDM o cliente pagava pela velocidade integral do acesso, e tinha a velocidade integral (isso é justo, não?), o cliente da multiplexação estatística, muitas vezes aqui no Brasil, paga pela velocidade integral, porém tem na maioria das vezes a velocidade mínima garantida. O que é isso?

Velocidade mínima é o mínimo (dã!) que o servidor garante oferecer ao cliente. No Brasil parece que convencionou-se usar 10% como a garantia mínima. Assim, se você possui uma conexão de 1Mbps, a garantia mínima é de 100Kbps. Porém você não paga pelo mínimo. Paga pela velocidade integral! (muito legal esses contratos de prestação de serviço) Este pobre redista que vos fala suspeita que nas europas da vida o mínimo garantido seja maior do que 10%, mas ainda vou pesquisar.

Porquê isso? Bom, a resposta é simples. Na multiplexação estatística, o provedor aluga muito mais do que a capacidade da sua rede. Suponha que a rede tenha capacidade de 10Mbps. O provedor quer alugar serviços de 1Mbps a cada cliente. Ele, então, não aluga 10 serviços de 1Mbps, e sim, 40 serviços de 1Mbps. O total é de 40Mbps (4x mais) se todos os usuários acessarem ao mesmo tempo, porém isso é viável, pois é pouco provável que todos os clientes sempre acessarão a rede ao mesmo tempo. Isso até que é inteligente. 4X acho recomendado de sobrecarga numa rede multiplexada estaticamente. Com essa sobrecarga, o cliente teria a garantia mínima de 1 / 4 do valor contratado. Ou seja, uma conexão de 1Mbps teria garantia mínima de 250Kbps. E ele pagaria por 1Mbps, pois somente POUCAS VEZES a rede estaria sobrecarregada. Mas no Brasil, creio que não acontece dessa forma. Pense comigo: se a velocidade garantida é de apenas 10% o valor contratado, então significa que a rede é sobrecarregada 10 vezes mais! Ou seja, uma rede com capacidade para 10 clientes de 1Mbps é usada para atender 100 clientes de 1Mbps! Isso significa também que a rede QUASE NUNCA oferecerá ao cliente a velocidade integral, pois sendo 10 vezes sobrecarregada sempre haverá clientes na linha, mesmo em horário não-nobre. Isso significa que QUASE SEMPRE a velocidade experimentada pelos clientes será aproximadamente a velocidade mínima. Isso não seria problema se o cliente fosse obrigado a pagar pela velocidade contratada.

Enfim, parece-me que alguns provedores não conseguem cumprir SEQUER O MÍNIMO garantido. Isso implica que a rede foi muito mais vezes sobrecarregada, muitos mais do que o viável, em nome do lucro exorbitante.

Por falar nisso, leia uma notícia interessante:

Empresa de telefonia de São Paulo é proibida de comercializar serviços de acesso a internet.

Anúncios

Arquivado em:Redes de Computadores

One Response

  1. Magnun disse:

    Tudo começou com Erlang…

    Muitas pessoas não se tocam desse roubo. Ótimo texto!

    Até mais…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: